Plantação de milho: como os organominerais podem potencializar a lavoura?

Com produção de 97,5 milhões de toneladas na safra 2019/2020, o milho é um dos cereais mais cultivados no Brasil. Apesar de o número parecer um indicativo positivo, a plantação de milho vem apresentando um recuo nos últimos anos, fazendo com que a produção brasileira perca competitividade no mercado frente a outros produtores mundiais.

Esse cenário abre espaço para produtores que desejam apostar na cultura do milho como forma de se destacar no mercado e garantir uma boa lucratividade com a produção do cereal. Para isso, contar com insumos que promovam aumento na produtividade e qualidade –  como os fertilizantes organominerais – é uma prática essencial aos produtores.

Neste artigo, trouxemos os principais benefícios e resultados importantes dos organominerais sobre a cultura do milho. Acompanhe!

O cenário atual da plantação de milho no Brasil

A produção de milho no Brasil ocorre na primeira safra, verão ou período chuvoso, variando de acordo com a região do país. Geralmente, ocorre no fim de agosto na região Sul, outubro e novembro no Sudeste e Centro-Oeste, e no início do ano no Nordeste. Há, ainda, a produção do milho safrinha, que ocorre em fevereiro e março, plantado depois da soja precoce. 

O principal aumento do rendimento nas lavouras de milho tem sido observado na safrinha, mas o quadro geral da produção de milho não é dos mais favoráveis. Segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola realizado pelo IBGE, a produção do cereal na safra 2019/2020 ficou 3% abaixo da supersafra anterior, com queda de 4,7% no rendimento médio.

A exportação do cereal apresentou uma queda ainda mais significativa: foram 18,9% em relação ao volume embarcado em 2019. Ainda em 2020, o recuo foi de 18,8%, o que representa mais de US$1 bilhão em comparação com o ano anterior. 

De acordo com o Ministério da Agricultura, o governo brasileiro deve introduzir medidas nos próximos meses para elevar a produção de milho da próxima temporada, que será plantada no final de 2021, com oferta de mais crédito, seguro agrícola e mecanismos de apoio comercial.

Por que utilizar organomineral na plantação de milho?

Os fertilizantes organominerais são compostos por matéria orgânica e uma fração mineral. Essa combinação resulta em um produto capaz de trazer diversos benefícios para a plantação de milho. Confira os principais! 

Melhora no processo de fotossíntese

A utilização de fertilizante organomineral proporciona aumento da tonalidade de cor verde nas folhas de milho, devido, provavelmente, ao aumento nos teores de clorofila no tecido vegetal. O suprimento adequado de enxofre por meio dos fertilizantes melhora o aproveitamento do nitrogênio na síntese protéica, aumentando, assim, o índice fotossintético das folhas e, como resultado, incrementando a produção do milho.

Aumento da produtividade

Em estudo realizado no Sítio Campo Limpo, no município de Lavras-MG, o organomineral se mostrou eficiente e com boa viabilidade técnica de uso. A aplicação de sua fórmula enriquecida com S possibilitou incrementos na produtividade de 32,14 sc ha-1 quando comparada à aplicação do MAP no plantio do milho.

Além disso, a utilização do organomineral se mostrou mais vantajosa em relação ao fertilizante mineral no que diz respeito à produtividade do milho. A dose do organomineral relacionada a 70% do fósforo do MAP obteve a melhor resposta do ensaio, tanto para a massa de grãos quanto para a produtividade da cultura, com aumento no número de grãos por espiga.

Maior vigor inicial das plantas

Em estudo realizado no município de Três Corações, o arranque e vigor inicial das plantas de milho, assim como verificado na soja, se mostraram satisfatórios nos três manejos de adubação de plantio estudados. Na faixa cultivada com a adubação de plantio com fertilizante organomineral na mesma proporção de fósforo que o MAP se observou plantas mais altas do que as verificadas nos outros tratamentos

Melhor desenvolvimento do sistema radicular

Como os organominerais promovem o melhoramento das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo, a raiz passa a ter contato com um solo muito mais rico, saudável e fértil. Os resultados podem ser observados no desenvolvimento do sistema radicular. O estudo citado no item anterior também mostrou que o tratamento com organomineral apresentou sistema radicular mais desenvolvido que os demais tratamentos. 

Organomineral X Fornecimento de Nitrogênio

A adubação nitrogenada, fundamentada em fertilizantes como nitrato de amônio, ureia agrícola e sulfato de amônio, apresenta empecilhos que reduzem a potencialidade de seu aproveitamento.

O nitrogênio no solo pode ser perdido por processos como a volatilização da amônia, desnitrificação e lixiviação do nitrato. As perdas de nitrogênio aplicado na forma de ureia podem variar de 40 a 78% quando aplicada na superfície de solos cultivados com milho.

Como o nitrogênio é um dos nutrientes mais requeridos pela cultura do milho, é preciso buscar alternativas que garantam o aproveitamento do nutriente durante todo o desenvolvimento da cultura e evitem sua perda por meio dos processos citados anteriormente.

Os fertilizantes organominerais são ricos em nitrogênio e fornecem o nutriente de maneira gradativa, ou seja, a planta poderá retirar o nitrogênio do solo durante todo o seu ciclo de desenvolvimento. Além disso, os componentes dos organominerais ajudam a evitar a perda de nutrientes, evitando que a planta sofra com deficiência nutricional de nitrogênio e outros nutrientes importantes. 

Quer comprovar a eficácia dos organominerais para a plantação de milho? Acesse nossa página de Resultados e confira diversas pesquisas sobre o tema. Aproveite, também, para conhecer nossos fertilizantes e garanta muito mais resultados na sua lavoura!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Desenvolvido por : produzdigital.com.br