Aprenda a fazer a classificação do solo em sua fazenda

Quando falamos em cuidados com a lavoura, a classificação do solo é um dos quesitos mais importantes a se ter conhecimento. Isso porque cada tipo de solo exige cuidados específicos que, automaticamente, influenciam na produção geral da plantação.

A classificação do solo é feita por meio do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos, popularmente conhecido como SiBCS. O processo é dividido em três passos muito importantes, capazes de direcionar o agricultor para o melhor caminho a ser trilhado.

Por isso, que tal entender como classificar o solo da sua fazenda? Confira este artigo, tire suas dúvidas e aprenda o passo a passo!

O que é o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos?

O SiBCS consiste em um sistema utilizado para classificar cada tipo de solo existente em território brasileiro. Através dele, os solos são classificados considerando suas propriedades para a formação do solo.

De maneira geral, o mesmo se divide em 6 níveis categóricos, sendo eles: Ordem, Subordem, Grande Grupo, Subgrupo, Família e Série.

Entretanto, os níveis 5 e 6 (Família e Série) ainda estão em discussão. Por isso, atualmente, a classificação é feita apenas até a 4ª categoria (Subgrupo).

O que deve ser considerado na classificação do solo?

Antes de qualquer passo, o SiBCS sempre deve ser consultado, já que o primeiro passo para a classificação do solo é a descrição morfológica do perfil do mesmo. Então, depois deste processo, se faz a coleta do material do campo.

E como acontece a classificação? Através dos aspectos da amostra. Esses aspectos são diversos, tais como:

  • Estruturais;
  • Físicos;
  • Químicos;
  • Mineralógicos.

Além disso, aspectos ambientais do local também são considerados no processo. Portanto, clima, vegetação, relevo, material de origem, condições climáticas e reações solo-paisagem são itens essenciais para a classificação do solo.

Como classificar o solo da sua fazenda

Primeiramente, é necessário ter em mãos materiais importantes para a descrição morfológica do perfil do solo. Estes materiais são: martelo, trado, pá reta e pá quadrada, faca e enxada.

Atente-se aos aspectos ambientais do local

O primeiro passo é anotar as características do local. Ou seja, clima, vegetação, relevo e material de ordem ocupado pelo perfil do solo.

Abra uma trincheira para observar feições morfológicas

Neste passo, é importante que você faça uma avaliação de cima para baixo. Além disso, observe e anote a espessura, bem como arranjamento dos horizontes, cor, textura, estrutura, cerosidade, agregação e consistência do solo.

Feito isso, faça uma demarcação na transição entre os horizontes com a ponta de uma faca.

Faça o envio das amostras de solo para análise

Por fim, é hora da análise laboratorial de solo. Nessa análise, é recomendado que o laboratório determine as características químicas e texturais do solo. Ou seja:

  • pH;
  • Teor de alumínio tóxico;
  • Porcentagem de areia, silte e argila;
  • Saturação por bases;
  • Capacidade de troca catiônica;
  • Somas de bases, entre outros pontos.

Através dessa análise você conhecerá todos os aspectos morfológicos do perfil do solo da sua fazenda, identificando os principais atributos do diagnóstico. Assim, será possível associar as características observadas do perfil do solo e determinar a classificação do mesmo.

Quais as classificações de solo no Brasil?

Uma coisa é fato: o Brasil conta com uma vasta diversidade de solos. Em relação a maior incidência, encontramos os solos:

  • Latossolos e argissolos;
  • Neossolos;
  • Plintossolos;
  • Cambissolos;
  • Gleissolos.

Ainda existem outros que contam com menor incidência em nosso país, como luvissolos, espodossolos, planossolos, notossolos, chernossolos, vertissolos, organossolos.

A classificação do solo realmente é importante?

Conhecer a classificação do solo e, consequentemente, as características do solo de sua fazenda pode trazer vários benefícios para a produção de culturas agrícolas. Por exemplo, você pode tomar propriedade das limitações e deficiências do solo e, assim, buscar alternativas mais assertivas para a correção dos problemas.

Além disso, pode identificar áreas com maiores chances de erosão, bem como traçar um melhor planejamento do tráfego de máquinas agrícolas. Por fim, você ainda pode mapear as áreas que inviabilizam o cultivo de algumas plantas e identificar o uso mais adequado dos solos.

Enfim, depois de saber mais sobre a classificação do solo, conferir o passo a passo para fazê-la e conhecer a sua importância, é hora de se movimentar. Com essas informações em mãos os resultados serão muito melhores e você poderá usufruir de melhores produções.
Gostou do conteúdo e quer mais dicas sobre cultivo e manejo de plantas? Confira mais artigos em nosso blog!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Desenvolvido por : produzdigital.com.br