Solo argiloso: descubra boas práticas para aumentar a produtividade

Você sabia que o solo argiloso é um dos mais presentes no Brasil? Atualmente, ocupa cerca de 25% da superfície do país e pode ser encontrado em todas as regiões. Para garantir altas produtividades nesse tipo de solo, é necessário adotar uma série de medidas corretivas.

O solo argiloso retém uma grande quantidade de água e, por isso, seu manejo deve ser diferente. Neste artigo você encontrará mais informações sobre esse tipo de solo, suas características e como garantir uma boa produtividade. Vamos lá?

O que é um solo argiloso?

Também chamado de “solo pesado”, o solo argiloso é conhecido por sua coloração vermelho-escura e por ser uma terra úmida e macia. Em sua composição, encontramos mais de 30% de argila, alumínio e ferro.

Quando falamos em solo argiloso, também falamos de um terreno que conta com grande microporosidade. Entretanto, uma grande macroporosidade também pode ser despertada, considerando a agregação, ou seja, estrutura do solo.

Por conta da sua composição, o solo argiloso acaba tendo características bastante específicas, tais como:

  • Grande profundidade;
  • Maior resistência à erosão;
  • Formação de barro plástico e viscoso quando úmido;
  • Maior possibilidade de compactação;
  • Maior capacidade de reter água.

Quais as limitações deste tipo de solo?

Por mais que apresente algumas características favoráveis à prática agrícola, o solo argiloso também apresenta limitações para a produtividade. 

Podemos dizer que, geralmente, o solo argiloso passa por dois extremos. Em épocas de grandes chuvas, o solo fica extremamente encharcado. Entretanto, em épocas de seca, o solo tende a formar uma camada dura e pouco arejada, prejudicando o desenvolvimento da vegetação.

Ainda, vale destacar que, mesmo contando com uma boa capacidade de retenção de água, nem sempre significa que este tipo de solo irá garantir a água necessária para o desenvolvimento das plantas, sobretudo por conta da sua impermeabilidade.

Sua fertilidade também não é alta, o que exige a adoção de técnicas de manejo e insumos adequados.

Quais os tipos de solo argiloso?

Existem dois tipos de argila e cada uma delas conta com características e propriedades distintas, nas quais influenciam diretamente na aptidão do solo para agricultura e manejo adequado. Saiba mais:

Argila 1:1

Formada por argilominerais, como Caulinita, Gibbsita, Goethita e Hematita. Normalmente encontramos a argila 1:1 em solos mais intemperizados, como Latossolo e Nitossolo.

Argila 2:1

Uma opção menos comum no Brasil, mas que pode ser encontrada em algumas regiões por conta do clima, como alguns lugares do Rio Grande do Sul. A argila 2:1 tem como principais argilominerais a esmectita e a vermiculita.

Vale destacar que este tipo de argila conta com maior troca de cátions (CTC), o que permite uma maior entrada de água e nutrientes, se comparada com a 1:1. Entretanto, este tipo é muito mais plástico e pegajoso, dificultando seu preparo.

O que plantar neste tipo de solo?

Antes de mais nada, é importante ter em mente que o solo argiloso não é um dos mais fáceis de ser trabalhado. Como vimos, sua fertilidade não é alta e, por conta da impermeabilidade, a terra acaba ficando sempre muito seca ou muito encharcada.

Entretanto, com um bom manejo e as dicas que destacamos no próximo tópico, algumas plantas podem ser cultivadas com sucesso. São elas:

  • Legumes, principalmente os de raiz, como cenoura e nabo;
  • Frutas, como macieira, cerejeira, pessegueiro e pereira;
  • Grãos, como arroz, milho, trigo e aveia.

Como aumentar a produtividade do solo argiloso?

O manejo inadequado do solo argiloso pode resultar em compactação e aumento da sua densidade. Como consequência, origina-se em uma menor porosidade e também produtividade.

Portanto, para quem procura aumentar a produtividade do solo argiloso, separamos algumas dicas que podem fazer a diferença. Confira:

Avalie a umidade

Este tipo de solo é impermeável e, por isso, consegue acumular um alto volume de água após as chuvas. Assim, antes de realizar qualquer ação de preparo, é importante avaliar o grau de umidade, afinal poucas culturas gostam de solos inundados.

Por meio dessa análise, é possível, por exemplo, avaliar a necessidade da construção de um sistema de drenagem.

Conheça a CTC do solo

A CTC deste tipo de solo interfere diretamente em algumas atividades, como a absorção de metabólitos tóxicos e antibióticos, bem como a proteção de micróbios. Esse fator também é capaz de indicar a quantidade ideal de calcário para a correção do pH e a capacidade da terra de reter nutrientes.

Conte com fertilizantes de qualidade

A melhoria da estrutura do solo é uma das maiores chaves para garantir uma maior produtividade. Neste momento, os fertilizantes organominerais se tornam grandes aliados. Estes adubos são enriquecidos com nutrientes minerais que são associados aos adubos orgânicos.

O adubo orgânico é capaz de reter nutrientes do fertilizante mineral mesmo em caso de chuvas ou de solos argilosos. Assim, a opção pode reduzir significativamente perdas e, a longo prazo, custos ao produtor. Os organominerais ainda estimulam a proliferação de microrganismos benéficos para a agricultura e melhoram as propriedades físicas, químicas e biológicas do solo.

Aproveite estas dicas e conte com a ajuda dos nossos fertilizantes para garantir um solo rico em nutrientes e uma lavoura altamente produtiva. Acesse nosso site e saiba mais sobre nossos produtos.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Desenvolvido por : produzdigital.com.br